Social and ecological meanings of water-containers

->Portuguese

On the 6th of November 2017 I embarked in a journey to the city of Maputo, Mozambique. I travelled to this emblematic city located in a beautiful bay of the Indian Ocean with the intention of understanding water-storage practices in the city, and researching whether these relate to the re-surgence of Aedes mosquitoes in Mozambique. Since the moment I decided this was going to be my MSc research topic, I read everything I could on the city colonisation, urbanisation, and water-services context. Furthermore, I was also trying to correlate these contexts with certain ideas I had on aquatic habitats for mosquitoes. As much as my head could compile the published information and draw images from the many historical documents of the city, nothing prepared me to the experience of the city, being there, walking, getting lost, talking to people, living the city from a first-hand experience.

Methodologically, I knew that my thesis would have to consider the social connotations of water storage, alongside the aquatic habitat assessment of water-containers. I am a biologist, so from my ideas of what a habitat is, how it establishes, and the characteristics it may portray I was ready to evaluate these characteristics in the city. However, as I walked the city and started talking to people, communities, researchers, and health-specialists from Maputo, I found that exploring Aedes aegypti’s habitats in a city like Maputo was going to challenge my preconceived ideas of what a habitat is, and how nature occurs in rich social contexts.

Due to water shortages and service challenges faced by small water providers and by the National Water and Sanitation Company FIPAG, intermittence is the common rule, hence water-storage is a collective practice in Maputo. Residents of the city have water readily available in multiple ways, whether it is through direct connections to the water utility, independent water providers, via water-tanks, resale, or communal kiosks. However, as I zoomed in to some particular contexts and neighbourhoods of the city, I found that water availability is experienced and materialised differently. For example, large water tanks found in formal spaces, like Polana cimento, allows residents in these areas to store water in bulk and accumulate it in perpetuity. Conversely, smaller water buckets in informal places like Chamanculo, make water less available throughout the day for the residents of this neighbourhood. This provides an interesting outlook on how formality and informality in the urbanisation process of a city like Maputo, translates to different daily routines of water-storage.

Experiences and materialisation of water service intermittence concur with emergence of aquatic habitats for mosquitoes like Aedes aegypti. While water intermittence determines water-storage practices, water quality parameters like temperature, pH, electrical conductivity, organic material, and light intensity come into place to complicate the water-container. Stored water rapidly transforms into an aquatic habitat not only for mosquitoes, but to a myriad of microorganisms that are harmful for human health.

By Angela Bayona

Significados sociais e ecológicos de recipientes de água

No dia 6 de Novembro de 2017, embarquei numa viagem para a cidade de Maputo, Moçambique. Eu viajei para esta cidade emblemática localizada em uma bela baía do Oceano Índico com a intenção de entender as práticas de armazenamento de água na cidade, e pesquisando se estas se relacionam com a ressurgência de mosquitos Aedes em Moçambique. Desde o momento em que decidi que este seria meu tópico de pesquisa de mestrado, fiz a revisão de artigos sobre a colonização da cidade, a urbanização e o contexto dos serviços de água. Além disso, eu também estava tentando correlacionar esses contextos com certas idéias que tinha sobre habitats aquáticos para mosquitos. Por mais que minha cabeça pudesse compilar as informações publicadas e desenhar imagens dos muitos documentos históricos da cidade, nada me preparou para a experiência da cidade, estando lá, andando, me perdendo, conversando com as pessoas, vivendo a cidade de uma experiência pessoal.

Metodologicamente, eu sabia que minha tese teria que considerar as conotações sociais do armazenamento de água, juntamente com a avaliação do habitat aquático de recipientes de água. Sou bióloga de formação e, por isso, pelas minhas ideias sobre o que é um habitat, como ele se estabelece e as características que pode apresentar, senti-me pronta para avaliar essas características na cidade. No entanto, enquanto caminhava pela cidade e comecei a falar com pessoas, comunidades, investigadores e especialistas de saúde de Maputo, descobri que explorar os habitats do Aedes aegypti numa cidade como Maputo iria desafiar as minhas ideias preconcebidas sobre o que é um habitat, e como a natureza ocorre em contextos sociais ricos.

Devido à escassez de água e aos desafios de serviço enfrentados pelos pequenos fornecedores de água e pelo Fundo de Investimento e Património do Abastecimento de Água FIPAG, a intermitência é a regra comum, pelo que o armazenamento de água é uma prática colectiva em Maputo. Os moradores da cidade têm água prontamente disponível de várias maneiras, seja por meio de conexões diretas com a concessionária de água, fornecedores independentes de água, via tanques de água, revenda ou quiosques comunitários. No entanto, à medida que ampliava alguns contextos e bairros particulares da cidade, descobri que a disponibilidade de água é experimentada e se materializa de maneira diferente. Por exemplo, grandes tanques de água encontrados em espaços formais, como no bairro da Polana cimento, permitem que os moradores dessas áreas armazenem água a granel e a acumulem por muito tempo. Por outro lado, pequenos baldes de água em lugares informais como o bairro de Chamanculo, tornam a água menos disponível durante o dia para os moradores deste bairro. Isto fornece uma perspectiva interessante de como a formalidade e a informalidade no processo de urbanização de uma cidade como Maputo, se traduzem em diferentes rotinas diárias de armazenamento de água.

Experiências e materialização da intermitência do serviço de água coincidem com o surgimento de habitats aquáticos para mosquitos como o Aedes aegypti. Enquanto a intermitência da água determina as práticas de armazenamento de água, os parâmetros de qualidade da água, como temperatura, pH, condutividade elétrica, material orgânico e intensidade de luz, são utilizados para complicar o recipiente de água. A água armazenada se transforma rapidamente em um habitat aquático não apenas para os mosquitos, mas para uma miríade de microrganismos prejudiciais à saúde humana.

Por Angela Bayona

2 Comments on “Social and ecological meanings of water-containers

  1. I really like the way you point out how social issues determine the way that this mosquito spreads and thus the way it affects the community! It must have been a very challenging research. Such an interesting one!

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: